Um bom líder constrói-se primeiro! Ajuda-te a ajudar!

02:11

Hoje é o dia!


Dia de transição e não só de passagem…é mais que uma simples travessia para um estado similar ao de ontem. Chego desacreditado, mais do mesmo, expor sem me expor, muito. Medo de partilhar sem partilhar-me, ser uma persona mascarada em pessoa secreta. 
Sou mais um nesta roda, ou único neste círculo? Existe uma ligação de corações ou apenas cadeiras lado a lado? Que faço aqui? Busco um salário ou busco aquilo que procuro mas não sei o que é ou como é? Busco realizar-me ou realizar os sonhos rotos de jovens perdidos numa vida que já me viu perder? Serei eu mais que eles ou apenas ganho em anos de vida? Que me distingue? O que é característico de mim e que deixo neles e continuo completo? Sou uma fonte ou apenas um balde, existe sempre água a brotar ou será só o necessário até esgotar numa reforma tranquila? Deixo-me afetar no interior por eles, sem me afetar quem sou e para onde vou? Sou capaz de discernir entre as dimensões de mim e as dimensões dos outros, ou deixo-me fundir com o mundo do outro, criando um planeta confuso e estranho? Ou por outro lado sou um corpo blindado à emoção, frio à existência do outro que pede para irromper na minha? Fico sensível ao seu apelo, à sua exigência de reconhecimento? Ou defendo-me atrás de regras e valores bem definido que me protegem e defendem numa hierarquia rígida e implacável? Consigo ser eu mesmo estando com o outro? Sei quem sou? Donde venho? O que me marcou, o que me fez sofrer tanto? Sei porque sou assim e porque reajo daquela maneira? Sei de onde surgem estes sentimentos contraditórios? Sei dar-lhes nome e situá-los? Sei conduzir o barco das minhas emoções descontroladas ou reprimidas? Sou extrovertido ou narcísico? Digo mais vezes eu, ou mais vezes nós? Dou sempre o meu exemplo ou busco os exemplos dos outros? Sinto-me senhor do mundo ou senhor do meu mundo interior? Sou introvertido ou apenas covarde? Deixo para os outros as responsabilidades do ontem, hoje e amanhã esperando que não entrem na minha bolha de segurança que em vez que me libertar me prende qual enjaulado? Faço-me despercebido perante o desafio, aguardando que o outro dê o peito às balas por mim: justificando “não faz parte de mim, gosto de estar mais em backoffice, não sou capaz”. Como não faço, critico quem faz? Aponto-lhes os defeitos em vez de olhar para mim e perguntar: “porque não estou no palco e enfrentar as minhas fragilidades?”. 
Hoje é hora! Exigir um espaço na minha vida. Ser protagonista do filme que acontece dentro e fora de mim. Chega de desculpas, de adiamentos. 

Quem és afinal? 

Serra da Aboboreira - Baião
"Do alto encontro e encontro-me"

You Might Also Like

2 comentários

  1. Nunca podemos deixar de ser o protagonista das nossas vidas, deixar que a tomem, nunca.... como se aprende? Com a valorização de nós mesmos, com o sentido que se foi mau ou bom, fizemos. Nem sempre é fácil quando as emoções
    é o nosso realizador, quando os restantes actores não colaboram... mas tenho uma certeza, o protagonista serei sempre eu, este é o meu filme, a minha vida e sei que não posso repetir cenas..

    ResponderEliminar
  2. O pote rachado. Defeito ou qualidade?

    Conta-se que um carregador de água na Índia levava dois potes grandes, ambos pendurados em cada ponta de uma vara a qual ele carregava atravessada em seu pescoço. Um dos potes tinha uma rachadura, enquanto o outro era perfeito e sempre chegava cheio de água no fim da longa jornada entre o poço e a casa do chefe. O pote rachado chegava apenas pela metade.
    Foi assim por dois anos, diariamente, o carregador entregando um pote e meio de água na casa de seu chefe. Claro, o pote perfeito estava orgulhoso de suas realizações. Porém, o pote rachado estava envergonhado de sua imperfeição, e sentindo-se miserável por ser capaz de realizar apenas a metade do que havia sido designado a fazer.
    Após perceber que por dois anos havia sido uma falha amarga, o pote falou para o homem um dia, à beira do poço:
    - Estou envergonhado, quero pedir-lhe desculpas.
    - Por quê?, perguntou o homem. - De que você está envergonhado?
    - Nesses dois anos eu fui capaz de entregar apenas metade da minha carga, porque essa rachadura no meu lado faz com que a água vaze por todo o caminho da casa de seu senhor. Por causa do meu defeito, você tem que fazer todo esse trabalho, e não ganha o salário completo dos seus esforços, disse o pote.
    O homem ficou triste pela situação do velho pote, e com compaixão falou:
    - Quando retornarmos para a casa do meu senhor, quero que percebas as flores ao longo do caminho.
    De fato, à medida que eles subiam a montanha, o velho pote rachado notou flores selvagens ao lado do caminho, e isto lhe deu ânimo. Mas ao fim da estrada, o pote ainda se sentia mal porque tinha vazado a metade, e de novo pediu desculpas ao homem por sua falha. Disse o homem ao pote:
    - Você notou que pelo caminho só havia flores no seu lado do caminho??? Notou ainda que a cada dia, enquanto voltávamos do poço, você as regava??? Por dois anos eu pude colher flores para ornamentar a mesa do meu senhor. Sem você ser do jeito que você é, ele não poderia ter essa beleza para dar graça à sua casa.

    ResponderEliminar

Google+ Followers

Design



Design criado em colaboração com a página Esboç'Arte.

Subscribe